Pular para o conteúdo principal


VIOLÊNCIA DOMÉSTICA OU DE GANGUES NÃO É MOTIVO PARA ASILO, DIZ JEFF SESSIONS

"O estatuto de asilo não fornece reparação para todos os infortúnios", escreveu em um parecer jurídico formal.

O procurador-geral Jeff Sessions posicionou-se por restringir ainda mais a aceitação dos imigrantes pelos EUA, decidindo na segunda-feira que o medo de abuso doméstico ou violência de gangues não é uma base aceitável para a concessão de asilo.

"O estatuto de asilo não fornece reparação para todos os infortúnios", escreveu em uma opinião formal, exercendo sua autoridade para derrubar decisões de juízes federais de imigração. "O mero fato de que um país pode ter problemas para policiar efetivamente certos crimes - como violência doméstica ou violência de gangues - ou que certas populações são mais propensas a serem vítimas de crimes não pode estabelecer uma reivindicação de asilo."

Ele agiu no caso de uma mulher de El Salvador que entrou ilegalmente nos EUA em 2014 e pediu asilo alegando que seu marido repetidamente abusou dela "emocionalmente, fisicamente e sexualmente".

Nos termos do direito internacional e dos EUA, uma pessoa pode pedir asilo com base em perseguições passadas ou receio fundado de perseguição futura por causa de raça, religião, nacionalidade, opinião política ou participação em um determinado grupo social. Quatro anos atrás, um tribunal de imigração reconheceu "mulheres casadas na Guatemala que não podem deixar seu relacionamento" como tal grupo social.

Ao anular essa decisão, Sessions disse que não estava de acordo com as exigências da lei federal que um grupo social deve ter características bem definidas que sejam socialmente distintas. As alegações da mulher neste caso, que disse que seu grupo social era "mulheres el salvadorenhas incapazes de deixar suas relações domésticas onde têm filhos", não se encaixavam nas exigências da lei, disse ele.

"Eu não minimizo o abuso vil que o entrevistado relatou que ela sofreu nas mãos de seu ex-marido ou as experiências angustiantes de muitas outras vítimas de violência doméstica em todo o mundo. Eu entendo que muitas vítimas de violência doméstica podem tentar fugir de seus países de origem para se livrarem de uma situação difícil ou para se darem a oportunidade de uma vida melhor. Mas o estatuto de asilo não é um estatuto de dificuldade geral ”, disse Sessions.

Defensores dos imigrantes imediatamente condenaram a decisão.

Beth Werlin, do Conselho Americano de Imigração, disse que isso "resultaria no envio de inúmeras mães e filhos de volta a seus agressores e gangues criminosas. Virar as costas às vítimas da violência e deportá-las para grave perigo não deveria ser o legado buscado por qualquer administração".

No início da segunda-feira, em discurso aos advogados de imigração do Departamento de Justiça em Tysons Corner, Virginia, Sessions disse que o sistema de asilo está sendo abusado e "nunca foi feito para aliviar todos os problemas, mesmo sérios problemas, que as pessoas enfrentam todos os dias no mundo".

Ele disse que o número de pedidos de asilo saltou para 94.000 em 2016, em comparação com 5.000 em 2009, e que apenas um quinto dos pedidos nos últimos cinco anos foram considerados justificados.


Law Offices of Witer DeSiqueira
Fonte: nbcnews.com



OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O FACEBOOK ESTARIA "AJUDANDO" O ICE A RASTREAR IMIGRANTES INDOCUMENTADOS NOS EUA

Relatório revela que a agência de controle de imigração monitora os movimentos dos indocumentados através da rede social As autoridades federais de imigração não só têm o poder de lhe pedir informações sobre sua conta do  Facebook no momento da entrada nos Estados Unidos, mas nos bastidores, tem uma equipe que monitora os movimentos dos indocumentados através da rede. O site Intercept, que em certa época serviu de plataforma para informações divulgadas pelo ex-funcionário da CIA Edward Snowden, revelou que o Serviço de Imigração e Alfândega (ICE) usa dados do Facebook para rastrear e localizar imigrantes indocumentados. O relatório é baseado em e-mails e documentos da agência que mostram o alcance do governo na interceptação de suspeitos. O relatório refere-se ao caso de um imigrante no Novo México, do qual os agentes conseguiram obter dados como: quando acessaram sua conta e os endereços IP onde ini…
CURIOSIDADE – QUEM DÁ NOME AOS FURACÕES?
Furacão Irma: Quem dá o nome aos furacões? O nome das tempestades tropicais alterna a cada ano entre homens e mulheres. Mas quem decide como chamá-los e por quê? IRMA.  É assim que o furacão mais forte já observado fora do Caribe e do Golfo do México é conhecido. Irma, que tem a categoria 5, já chegou às ilhas do Caribe de Anguilla, Antígua e Barbuda na quarta-feira a noite, em uma situação de alerta máximo, passou pelas ilhas de San Martín e San Bartolomé na quinta-feira, passando por Cuba, Porto Rico na sexta-feira e chegando na Flórida com os ventos máximo sustentado até 298 km / h no sábado. Assim, como o Irma todos os furacões trazem nomes de pessoas. Por quê? Evitar confusões. Simples! O uso de nomes próprios em vez de números ou termos técnicos destina-se a evitar confusões e a facilitar a divulgação de alertas. A lista de nomes para ciclones tropicais do Atlântico foi criada em 1953 pelo Centro Nacional de Furacões (NHC) dos EUA e tem sido uti…
VIAJANDO PARA OS ESTADOS UNIDOS EM MÍNIMOS DETALHES – PASSANDO PELA IMIGRAÇÃO
Nesta semana, vamos abordar em detalhes, o momento da entrada nos Estados Unidos e a passagem pela Imigração.
Ao aterrissar em solo americano, você estará sujeito às leis daquele país, então deixe lado hábitos que podem ser suspeitos aos olhos deles. Ao chegar na Imigração, você será conduzido para uma das duas filas, a de prescreen, ou dos guichês com agentes do CBP (Customs and Border Protection). Se você for para o prescreen, você colocará sua mão em um aparelho de leitura digital, se pré-aprovado, você está livre para entrar nos EUA e ir direto para a retirada de bagagens. Você poderá negado por diversos motivos, como: falha na leitura das digitais, histórico de frequência na “salinha da imigração”, ou histórico negativo/suspeito nos Estados Unidos. Se for o caso, você será conduzido para o guichê do CBP.
Um agente do CBP é treinado para detectar pessoas e atitudes suspeitas, então perguntas serão feitas a …