Pular para o conteúdo principal


AMEAÇA DE BOICOTE PARA ESTÚDIOS DE HOLLYWOOD POR NÃO TER MAIS PRESENÇA LATINA
A National Association of Hispanic Media diz que estão usando de intolerância para não incluir os hispânicos em projetos
A National Association of Hispanic Media (NHMC) ameaçou seis grandes estúdios de Hollywood com um boicote se eles persistiam em não aprovar filmes temáticos latinos ou contratando hispânicos em cargos "proeminentes" na indústria cinematográfica.
Este grupo promove o avanço dos latinos na mídia nos EUA. é claro e aponta para os diretores da Paramount, da Warner Bros., da Sony, da Universal, da Disney e do 20th Century Fox , caso continuem a deixar de lado os latinos, tanto na frente quanto nos bastidores.
"Esses executivos estão jogando exclusão e estão agindo com intolerância ao não nos incluir e vamos começar a chamá-los por seu nome", disse Alex Nogales, presidente da NHMC.
Observando que sua organização tem "os números e as estatísticas dos últimos 10 anos", Nogales explicou que eles tentaram entrar em contato com os estúdios por seis anos, mas apenas um deles respondeu a sua oferta de trabalhar em conjunto para encontrar solução para a ausência de hispânicos na indústria.
Portanto, ele advertiu que, se os executivos ainda não respondessem às suas demandas antes de 24 de março, declararão um boicote nacional contra os seis maiores estúdios de Hollywood que mostram os piores números de inclusão dos latinos.
O relatório "Desigualdade em 900 filmes populares", produzido pela Universidade do Sul da Califórnia em meados de 2017, descobriu que apenas 3,1% dos personagens dos principais filmes de Hollywood de 2007 a 2016 eram latinos, enquanto os brancos assumiram 70%.
No caso dos 100 filmes mais relevantes de 2016, 54 deles não incluíram caracteres latinos com diálogo, 25 não apresentavam afro-americanos e 44 não apresentavam personagens asiáticos. Do mesmo modo, 72 das fitas não caracterizaram mulheres hispânicas.
"Será uma campanha que desenvolveremos de todas as formas possíveis, nas mídias sociais, na mídia e os chamaremos por seus nomes. Ninguém nos estúdios quer ser apontado por seu nome e para as pessoas cantarem seu nome", disse o executivo do NHMC.
E seu boicote pode prejudicar a indústria, porque o público latino, apesar de representar 18% da população do país, responde por 24% dos ingressos vendidos nos cinemas.
Para Nogales, não é um esforço isolado relacionado ao cinema, mas um esforço conjunto com outras organizações nacionais para oferecer uma imagem de latinos nos Estados Unidos mais em consonância com a realidade.
"A liderança latina em todo o país reconhece que é um problema que nos afeta a todos, porque, da maneira como somos percebidos, seremos tratados e as pessoas receberão informações sobre outras pessoas do que veem na televisão e no cinema", disse ele.
No entanto, as figuras latino-americanas estão conseguindo grandes sucessos e nas últimas quatro edições dos Oscars, três diretores mexicanos foram premiados: Alfonso Cuarón ("Gravidade"), Alejandro González Iñárritu ("Birdman" e "The Revenant") e Guillermo del Toro ("A Forma da Água"), entre outros.
Talvez por essa razão, Nogales deixou claro que sua "luta" não é contra a Academia de Hollywood, que organiza o Oscar.
Por sua vez, a atriz mexicana Martha Higareda, estrela de "Altered Carbon", uma das séries do momento na plataforma Netflix, disse que está feliz por haver mais e mais personagens de qualidade para os latinos em Hollywood.
"Há pessoas que vieram antes e que abriram caminho para nós, como Salma Hayek ou Demián Bichir. Eles vieram aqui e disseram: "Queremos fazer personagens importantes". E agora estou muito feliz por haver mais e mais personagens para nós", afirmou a atriz, residente no México.
No entanto, para o presidente do NHMC, os latinos nascidos nos Estados Unidos ou que emigraram para o país precisam de uma melhor representação.
"Precisamos de uma melhor caracterização do que é a nossa comunidade. Não é só por causa da busca por empregos na indústria cinematográfica, mas por causa da percepção que precisamos ter", argumentou.
"Aqueles que não nos conhecem tendem a nos ver como estranhos". Nós não somos os estrangeiros, somos daqui. Pagamos impostos, contribuímos para as finanças e economia do país e para a formação social com a nossa cultura", concluiu.
Law Offices of Witer Desiqueira
Fonte: laopinion.com

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O FACEBOOK ESTARIA "AJUDANDO" O ICE A RASTREAR IMIGRANTES INDOCUMENTADOS NOS EUA

Relatório revela que a agência de controle de imigração monitora os movimentos dos indocumentados através da rede social As autoridades federais de imigração não só têm o poder de lhe pedir informações sobre sua conta do  Facebook no momento da entrada nos Estados Unidos, mas nos bastidores, tem uma equipe que monitora os movimentos dos indocumentados através da rede. O site Intercept, que em certa época serviu de plataforma para informações divulgadas pelo ex-funcionário da CIA Edward Snowden, revelou que o Serviço de Imigração e Alfândega (ICE) usa dados do Facebook para rastrear e localizar imigrantes indocumentados. O relatório é baseado em e-mails e documentos da agência que mostram o alcance do governo na interceptação de suspeitos. O relatório refere-se ao caso de um imigrante no Novo México, do qual os agentes conseguiram obter dados como: quando acessaram sua conta e os endereços IP onde ini…
CURIOSIDADE – QUEM DÁ NOME AOS FURACÕES?
Furacão Irma: Quem dá o nome aos furacões? O nome das tempestades tropicais alterna a cada ano entre homens e mulheres. Mas quem decide como chamá-los e por quê? IRMA.  É assim que o furacão mais forte já observado fora do Caribe e do Golfo do México é conhecido. Irma, que tem a categoria 5, já chegou às ilhas do Caribe de Anguilla, Antígua e Barbuda na quarta-feira a noite, em uma situação de alerta máximo, passou pelas ilhas de San Martín e San Bartolomé na quinta-feira, passando por Cuba, Porto Rico na sexta-feira e chegando na Flórida com os ventos máximo sustentado até 298 km / h no sábado. Assim, como o Irma todos os furacões trazem nomes de pessoas. Por quê? Evitar confusões. Simples! O uso de nomes próprios em vez de números ou termos técnicos destina-se a evitar confusões e a facilitar a divulgação de alertas. A lista de nomes para ciclones tropicais do Atlântico foi criada em 1953 pelo Centro Nacional de Furacões (NHC) dos EUA e tem sido uti…
VIAJANDO PARA OS ESTADOS UNIDOS EM MÍNIMOS DETALHES – PASSANDO PELA IMIGRAÇÃO
Nesta semana, vamos abordar em detalhes, o momento da entrada nos Estados Unidos e a passagem pela Imigração.
Ao aterrissar em solo americano, você estará sujeito às leis daquele país, então deixe lado hábitos que podem ser suspeitos aos olhos deles. Ao chegar na Imigração, você será conduzido para uma das duas filas, a de prescreen, ou dos guichês com agentes do CBP (Customs and Border Protection). Se você for para o prescreen, você colocará sua mão em um aparelho de leitura digital, se pré-aprovado, você está livre para entrar nos EUA e ir direto para a retirada de bagagens. Você poderá negado por diversos motivos, como: falha na leitura das digitais, histórico de frequência na “salinha da imigração”, ou histórico negativo/suspeito nos Estados Unidos. Se for o caso, você será conduzido para o guichê do CBP.
Um agente do CBP é treinado para detectar pessoas e atitudes suspeitas, então perguntas serão feitas a …