Pular para o conteúdo principal

AUMENTA O NÚMERO DE APLICAÇÕES PARA CIDADANIA NOS EUA

Na semana passada apresentamos um artigo que informava que o número de pessoas abdicando de sua cidadania americana tem crescido muito neste último ano, por razões diversas, pessoas estão optando por voltarem aos seus países de origem.

Na contra partida desta notícia, também tem crescido muito o número de aplicações para a cidadania. Pessoas que há muitos anos estavam aptos e não o fizeram, estão fazendo agora, com medo da política de retaliação aos imigrantes, de Donald Trump.

As aplicações de cidadania aumentaram rapidamente após a vitória eleitoral de Donald Trump em novembro de 2016, fato que grupos de ativistas vêem como uma reação às políticas de imigração da Casa Branca e que impulsionam com campanhas de nacionalização para imigrantes.

"Considerando os tempos tumultuosos em que vivemos hoje, esperar que alguém proteja nosso futuro não é mais uma opção", disse Angelica Salas, diretora executiva da Coalition for Human Rights of Immigrants (CHIRLA), em comunicado.

Portanto, a organização lançou a campanha "Proteção sem data de vencimento" que até 16 de dezembro deste ano oferece cobertura "todos os custos relacionados ao processo de inscrição para naturalização", incluindo os $ 725 que custam o pedido antes o Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos (USCIS).

A CHIRLA também está oferecendo para pagar os custos de verificação de antecedentes para aqueles que se qualificam para a cidadania.

"Tenho notado isso - há vários anos - a comunidade (imigrante) localizou-se na compreensão de que eles precisam se tornar cidadãos dos EUA para ter proteção total sob as leis de imigração", disse Nelson Castillo, um advogado especializado em processos de imigração.

O jurista considera que essa tendência aumentou no momento atual "possivelmente devido ao que as pessoas percebem sobre a possibilidade de que elas possam perder seu status nos Estados Unidos".
O especialista em direito da imigração acredita que os imigrantes que desejam morar nos Estados Unidos devem buscar "o melhor status de imigração que possam obter" e o melhor, se atenderem aos requisitos, "tornar-se cidadão dos EUA".

Por sua vez, com sua experiência trabalhando com a comunidade imigrante e especialmente com a comunidade de baixa renda, a organização Clerigos y Laicos Unidos pela Justiça Economica (CLUE) não duvida que a cidadania seja uma grande conquista para quem pode alcançá-la.

"Nós vemos que há um aumento na intenção de obter a cidadania e, sempre que uma pessoa pode buscar cidadania, é importante fazê-lo porque sabemos que há muitas pessoas que permaneceram na residência", Teresa Borden, porta-voz da CLUE.

Para a ativista, essa tendência das pessoas para se tornarem cidadãos e poder participar de processos eleitorais mostra "que eles acordaram a necessidade de participar politicamente no país e que nos encoraja a pensar que talvez em 2018 haja um futuro para a agenda progressiva ".

Os ativistas também indicam que o alto número de pedidos criou um estado de lentidão no processo que está levando a um atraso de aproximadamente o dobro do tempo no processo.

O diretor de serviços jurídicos da CHIRLA, Luis Perez, advertiu que "o atraso de mais de 12 meses no processo de pedidos de cidadania é mais comum ao abrigo desta administração", por isso enfatizou a importância da aplicação o mais rápido possível ao processo de naturalização.

Ele indicou quando apresentou a iniciativa de que, ao abrigo desta campanha, os candidatos talvez não tenham que pagar "nem um centavo para garantir seu futuro e o da família".

Enquanto isso, Castillo enfatizou a importância de buscar um profissional experiente que faça uma avaliação pessoal da situação de cada imigrante sobre sua possível opção de cidadania.

"Você deve fazê-lo da maneira correta, com as pessoas certas, advogados de imigração, representantes credenciados pelo governo federal que possuem a licença e a experiência necessárias e usam de todas as possibilidades que você tem para poder alcançá-lo", disse o profissional.

Embora o USCIS não tenha respondido a um pedido de informações sobre os tempos de atraso nos processos, a agência indica em seu site oficial que cerca de 752.800 pessoas se tornaram cidadãos através da naturalização em 2016.

Os estados com maior número de naturalizados em 2016 estavam em ordem: Califórnia, Nova York, Flórida, Texas e Nova Jersey, e os países com maior número de imigrantes naturalizados eram o México, a Índia, Filipinas, China e Cuba.

Durante os primeiros nove meses de 2017, cerca de 472 mil pessoas foram naturalizadas, com taxas que mostram 32 e 11% menos no primeiro e segundo trimestres e 7,9% maiores no terceiro trimestre em relação a 2016.

Law Offices of Witer DeSiqueira
Colaboração: laopinion.com


OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O FACEBOOK ESTARIA "AJUDANDO" O ICE A RASTREAR IMIGRANTES INDOCUMENTADOS NOS EUA

Relatório revela que a agência de controle de imigração monitora os movimentos dos indocumentados através da rede social As autoridades federais de imigração não só têm o poder de lhe pedir informações sobre sua conta do  Facebook no momento da entrada nos Estados Unidos, mas nos bastidores, tem uma equipe que monitora os movimentos dos indocumentados através da rede. O site Intercept, que em certa época serviu de plataforma para informações divulgadas pelo ex-funcionário da CIA Edward Snowden, revelou que o Serviço de Imigração e Alfândega (ICE) usa dados do Facebook para rastrear e localizar imigrantes indocumentados. O relatório é baseado em e-mails e documentos da agência que mostram o alcance do governo na interceptação de suspeitos. O relatório refere-se ao caso de um imigrante no Novo México, do qual os agentes conseguiram obter dados como: quando acessaram sua conta e os endereços IP onde ini…
CURIOSIDADE – QUEM DÁ NOME AOS FURACÕES?
Furacão Irma: Quem dá o nome aos furacões? O nome das tempestades tropicais alterna a cada ano entre homens e mulheres. Mas quem decide como chamá-los e por quê? IRMA.  É assim que o furacão mais forte já observado fora do Caribe e do Golfo do México é conhecido. Irma, que tem a categoria 5, já chegou às ilhas do Caribe de Anguilla, Antígua e Barbuda na quarta-feira a noite, em uma situação de alerta máximo, passou pelas ilhas de San Martín e San Bartolomé na quinta-feira, passando por Cuba, Porto Rico na sexta-feira e chegando na Flórida com os ventos máximo sustentado até 298 km / h no sábado. Assim, como o Irma todos os furacões trazem nomes de pessoas. Por quê? Evitar confusões. Simples! O uso de nomes próprios em vez de números ou termos técnicos destina-se a evitar confusões e a facilitar a divulgação de alertas. A lista de nomes para ciclones tropicais do Atlântico foi criada em 1953 pelo Centro Nacional de Furacões (NHC) dos EUA e tem sido uti…
VIAJANDO PARA OS ESTADOS UNIDOS EM MÍNIMOS DETALHES – PASSANDO PELA IMIGRAÇÃO
Nesta semana, vamos abordar em detalhes, o momento da entrada nos Estados Unidos e a passagem pela Imigração.
Ao aterrissar em solo americano, você estará sujeito às leis daquele país, então deixe lado hábitos que podem ser suspeitos aos olhos deles. Ao chegar na Imigração, você será conduzido para uma das duas filas, a de prescreen, ou dos guichês com agentes do CBP (Customs and Border Protection). Se você for para o prescreen, você colocará sua mão em um aparelho de leitura digital, se pré-aprovado, você está livre para entrar nos EUA e ir direto para a retirada de bagagens. Você poderá negado por diversos motivos, como: falha na leitura das digitais, histórico de frequência na “salinha da imigração”, ou histórico negativo/suspeito nos Estados Unidos. Se for o caso, você será conduzido para o guichê do CBP.
Um agente do CBP é treinado para detectar pessoas e atitudes suspeitas, então perguntas serão feitas a …