Pular para o conteúdo principal

OS EMPREGADORES TAMBÉM PODEM DIZER "NÃO" AO ICE

Ativistas preparam oficinas de informação para os empregadores, que também podem retardar a passagem de agentes do ICE, se eles não têm a devida permissão judicial para inspecionar um local de trabalho.

Trabalhadores indocumentados são parte da espinha dorsal de muitas empresas nos EUA e contra possíveis ataques por agentes do ICE que afetam seus negócios, as empresas também podem bloquear sua passagem se estes não tiverem a devida permissão, orientam ativistas.

Desde a sua criação em 2003, o Bureau of Immigration and Customs Enforcement (ICE) tem focado seus esforços em conformidade com as leis de imigração e sob a administração Trump deixou claro que qualquer imigrante indocumentado pode ser sujeito à prisão e deportação, com ou sem antecedentes criminais, isto pode ser constatado no memorando interno do ICE datado de 13 de Fevereiro deste ano, descoberto pelo Jornal The Times.

Durante uma conferência telefônica do "New America Media", os ativistas de grupos cívicos, disseram que, no atual clima de medo aumentaram as denúncias e as deportações, é importante que as empresas e os trabalhadores conheçam os seus direitos.

As empresas são responsáveis ​​por empregar pessoas sob o seu teto e, como tal, têm a obrigação de proteger o trabalho e os direitos constitucionais de seus colaboradores, independentemente do seu status de imigração, disseram.

Assim como, os imigrantes podem impedir a invasão em sua casa por agentes do ICE se eles não têm a permissão judicial adequada, os empregadores também podem se recusar a deixá-los entrarem em sua propriedade privada, explicaram os ativistas.

"Se os agentes do ICE se apresentam a uma empresa privada, ela pode bloquear seu caminho e não será permitida a entrada a menos que tenham uma autorização judicial", disse Grisel Ruiz, advogado do Centro de Recursos Legal para Imigrantes (ILRC).

No caso dos imigrantes em suas casas, eles têm o direito ao silêncio contra agentes do ICE; impedir a entrada; exigir que apresentem uma ordem judicial, e não devem assinar quaisquer documentos que não entenda ou sem ter consultado um advogado antes, disse.

Michael Young, conselheiro legislativo da Federação do Trabalho Califórnia, disse que os empregadores têm o direito de exigir que os agentes mostrem que eles têm permissão para entrar e inspecionar o local de trabalho, e devem igualmente apresentar uma ordem de um juiz antes de a empresa fornecer informações particulares ou confidenciais sobre funcionários.

"Acreditamos que os empregadores têm a obrigação de assegurar que proteger os direitos trabalhistas, segurança, privacidade e ao devido processo dos seus funcionários, e para evitar violações desses direitos em locais de emprego que ocorrem", disse Young.
"Nós não podemos regular as leis federais de imigração, mas podemos regular o comportamento corporativo", argumentou Young, cujo grupo apoia a iniciativa do estado da Califórnia AB 450, que impede ataques em locais de emprego a menos que os agentes do ICE apresentem uma ordem de um juiz.

Uma medida, conhecida como a "Lei sobre a Proteção dos Trabalhadores Migrantes" foi apresentada pelo deputado David Chiu e pelo senador estadual Scott Weiner, ambos democratas, é a primeira de seu tipo no país, e foi aprovado em reunião e aguarda uma votação final no Senado estadual.

Young observou que, somente na Califórnia, existem cerca de 2,6 milhões de imigrantes indocumentados, e um em cada 10 trabalhadores não têm "papéis". A sua presença é especialmente relevante na agricultura e na construção, que constituem 45% e 21%, respectivamente.

Esse número representa "um enorme bloco de pessoas em risco" de deportação se os agentes do ICE têm entrada livre em ambientes de emprego, disse Young.

Enquanto isso, Cal Soto, coordenador do Dia Laborer Organizing Network Nacional (NDLON), disse que, em geral, organizações como a sua ter recolhido informações sobre um aumento da violência e da intimidação de trabalhadores, graças, em parte, ao clima de medo. "O que estamos vendo é uma banalização da violência" contra os trabalhadores, disse.

Estima-se que desde que o presidente Donald Trump tomou posse em 20 de Janeiro, as autoridades de imigração prenderam e deportaram dezenas de milhares de imigrantes indocumentados, embora ativistas não pudessem identificar o impacto econômico que teve sobre as empresas.

A legislação trabalhista americana diz que um empregador tem 03 (três) dias para apresentar os registros de seus trabalhadores a qualquer agente federal, isto é um tempo precioso para o empregador se organizar e não permitir a prisão e deportação de seus funcionários.

Law offices of Witer DeSiqueira
Fonte: laopinion.com


OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O FACEBOOK ESTARIA "AJUDANDO" O ICE A RASTREAR IMIGRANTES INDOCUMENTADOS NOS EUA

Relatório revela que a agência de controle de imigração monitora os movimentos dos indocumentados através da rede social As autoridades federais de imigração não só têm o poder de lhe pedir informações sobre sua conta do  Facebook no momento da entrada nos Estados Unidos, mas nos bastidores, tem uma equipe que monitora os movimentos dos indocumentados através da rede. O site Intercept, que em certa época serviu de plataforma para informações divulgadas pelo ex-funcionário da CIA Edward Snowden, revelou que o Serviço de Imigração e Alfândega (ICE) usa dados do Facebook para rastrear e localizar imigrantes indocumentados. O relatório é baseado em e-mails e documentos da agência que mostram o alcance do governo na interceptação de suspeitos. O relatório refere-se ao caso de um imigrante no Novo México, do qual os agentes conseguiram obter dados como: quando acessaram sua conta e os endereços IP onde ini…
CURIOSIDADE – QUEM DÁ NOME AOS FURACÕES?
Furacão Irma: Quem dá o nome aos furacões? O nome das tempestades tropicais alterna a cada ano entre homens e mulheres. Mas quem decide como chamá-los e por quê? IRMA.  É assim que o furacão mais forte já observado fora do Caribe e do Golfo do México é conhecido. Irma, que tem a categoria 5, já chegou às ilhas do Caribe de Anguilla, Antígua e Barbuda na quarta-feira a noite, em uma situação de alerta máximo, passou pelas ilhas de San Martín e San Bartolomé na quinta-feira, passando por Cuba, Porto Rico na sexta-feira e chegando na Flórida com os ventos máximo sustentado até 298 km / h no sábado. Assim, como o Irma todos os furacões trazem nomes de pessoas. Por quê? Evitar confusões. Simples! O uso de nomes próprios em vez de números ou termos técnicos destina-se a evitar confusões e a facilitar a divulgação de alertas. A lista de nomes para ciclones tropicais do Atlântico foi criada em 1953 pelo Centro Nacional de Furacões (NHC) dos EUA e tem sido uti…
VIAJANDO PARA OS ESTADOS UNIDOS EM MÍNIMOS DETALHES – PASSANDO PELA IMIGRAÇÃO
Nesta semana, vamos abordar em detalhes, o momento da entrada nos Estados Unidos e a passagem pela Imigração.
Ao aterrissar em solo americano, você estará sujeito às leis daquele país, então deixe lado hábitos que podem ser suspeitos aos olhos deles. Ao chegar na Imigração, você será conduzido para uma das duas filas, a de prescreen, ou dos guichês com agentes do CBP (Customs and Border Protection). Se você for para o prescreen, você colocará sua mão em um aparelho de leitura digital, se pré-aprovado, você está livre para entrar nos EUA e ir direto para a retirada de bagagens. Você poderá negado por diversos motivos, como: falha na leitura das digitais, histórico de frequência na “salinha da imigração”, ou histórico negativo/suspeito nos Estados Unidos. Se for o caso, você será conduzido para o guichê do CBP.
Um agente do CBP é treinado para detectar pessoas e atitudes suspeitas, então perguntas serão feitas a …